Ana Pérez-Quiroga

Nasceu em 1960, em Coimbra, Portugal. Vive e trabalha entre Lisboa e Xangai. Licenciada em Escultura pela Faculdade de Belas Artes Universidade de Lisboa (FBAUL), tem o Curso Avançado de Artes Plásticas, do Ar.Co; Mestre em Artes Visuais Intermédia, na Universidade de Évora e é Doutora em Arte Contemporânea pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. Bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia.
Expõe regularmente desde 1999, destacando-se as participações institucionais na Culturgest, Lisboa, Portugal – “Disseminações” (2001), Centro de Arte de Salamanca, Espanha – “Comer o no Comer” (2002), Falconer Gallery, Grinnell, Iowa, USA – “Where Are You From?” Contemporary Art from Portugal (2008), MoCA (Museum of Contemporary Art), Shanghai – “Made in Shanghai” (2008) Museu do Chiado/MNAC – “Arte Portuguesa do séc. XX 1960-2010” (2012) e Palácio dos Duques, Guimarães – “Assalto ao Castelo em 3 Atos” (2014) no China World Art Museum, Pequin, China “Onde É A China?” (2014) e na Villa Savoye – Le Corbusier “De la Ville à La Villa – Chandigarh Revisited” (2016).
Das principais exposições individuais destacam-se no Museu do Chiado/MNAC – “Breviário do Quotidiano #2” (1999), no Museu Nacional de Arte Antiga – “Natureza- morta” (2004), no Museu Nogueira da Silva, Braga – “From:, To:, Via:” (2012), Museu do Neorealismo, Vila Franca de Xira – “Obra sem senão” (2012), Museu de Arte Popular, Lisboa “Antes morta que Burra” (2014), no Convento de Cristo, Tomar “Tomara que chova” (2015), no Arquivo Municipal Fotográfico “Breviário do Quotidiano #8 – Lisboa” (2016) e no MAAT, Lisboa “APQhome – MAAT” (2017).
O seu trabalho encontra-se presente em diversas coleções, tais como: Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Ar.Co; Costa Rodrigues; Figueiredo Ribeiro; Isabel Vaz Lopes, em depósito no Museu do Chiado; Câmara Municipal de Lisboa e Caixa Geral de Depósitos – Culturgest.
Tem integrado programas de residências internacionais com bolsas da Fundação Gulbenkian – Xangai; Fundação Oriente – Xangai; Institut français du Portugal – Cité international des Arts, Paris.
Foi distinguida com o prémio da Sociedade Portuguesa de Autores – SPA, para a melhor exposição de Artes Plásticas de 2014.
Trabalha essencialmente com instalação, objetos, fotografia e performance, e as suas temáticas centram-se em torno do quotidiano e seu mapeamento, a importância dos objetos comuns e problemáticas de género.

A tua roupa ficava um espanto no chão da minha sala