Bruno Cidra

BRUNO CIDRA (Lisboa, 1982), vive e trabalha em Lisboa.
O trabalho de Bruno Cidra assenta na relação de afinidade entre desenho e escultura enquanto forma de reconfiguração do espaço arquitectónico, investindo no espectador o papel de elemento operante de novas leituras do espaço. Este diálogo disciplinar, de linguagens e materiais, faz operar campos de força e equilíbrio, explorando valores antagónicos como resistência e fragilidade, peso e leveza, perenidade e efemeridade.
Licenciado em Artes plásticas – Escultura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, expõe com regularidade desde 2006, tendo participado em diversas exposições em Portugal e no estrangeiro.
Destacam-se as exposições individuais Flecha, na Baginski, Galeria/ Projectos, Lisboa, e Corda, na Galeria Múrias Centeno, Porto, ambas em 2012. Entre as exposições colectivas em que participou destacam-se Desenhar o mundo, na Est Art Fair 14, comissariada por Delfim Sardo, Filipa Oliveira, e Moacir dos Anjos; As coisas que aparecem na Biblioteca Joanina, Coimbra, comissariada por Antónia Gaeta (2012); Como proteger-se do tigre, na XVI Bienal de Cerveira, comissariada por Luís Silva e João Mourão, Kunsthalle Lissabon (2011); Prémio EDP Novos Artistas, Museu da Electricidade, Lisboa, com curadoria de João Pinharanda, Delfim Sardo e Nuno Crespo; e Afterthought, no Irmaveplab, Reims, França, comissariada por Anja Isabel Schneider (2008).
Em 2014 foi o seleccionado pela Câmara Municipal de Lisboa para a Bolsa de Intercâmbio Artístico Lisboa-Budapeste, Budapeste, Hungria. Em 2013 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian para residência artística na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) em São Paulo, Brasil. Em 2009 foi seleccionado do Prémio EDP Novos Artistas no Museu da Electricidade, Lisboa, tendo em 2005 sido vencedor do Prémio de Escultura D. Fernando II, Sintra.
O seu trabalho encontra-se representado em diversas colecções públicas e privadas, destacando-se a Colecção da Fundação EDP, Colecção Teixeira de Freitas, Colecção de Arte Contemporânea do Ar.Co, da Câmara Municipal de Sintra, Colecção António Cachola, entre outras.

Ferro e papel.
88x280x1,5 cm
Ferro e papel.
260x1,5x1,5 cm
Ferro e papel.
248x350x84 cm