Gabriela Albergaria

Gabriela Albergaria nasceu em Vale de Cambra em 1965. Vive e trabalha em Lisboa e Nova Iorque.

Tendo completado a licenciatura em Pintura pela Faculdade de Belas Artes do Porto, realizou inúmeras residências artísticas, destacando-se RU (Nova Iorque, 2015–2016); Flora ars +natura (Bogotá, 2015); Künstlerhaus Bethanien, Berlim (2000/2001); Cité Internationale des Arts, Paris (2004); Villa Arson, Centre National d’Art Contemporain, Nice (2008); The University of Oxford Botanic Garden, em colaboração com The Ruskin School of Drawing and Fine Art, Oxford (2009/2010) e Winter Workspace, Wave Hill Public Garden and Cultural Center, Nova Iorque (2012).
Uma seleção das suas exposições individuais mais recentes inclui: Ah, Finalmente, Natureza, Fórum Eugénio de Almeida (Évora, 2015); Terra/Território, Consulado Geral de Portugal em São Paulo (2015); Two Trees in Balance, Socrates Sculpture Park (Nova Iorque, 2015); Time scales, Vera Cortês Art Agency (Lisboa, 2014); O Balanço da Árvore Exagera a Tempestade, Galeria Vermelho (São Paulo, 2014); No hay tal cosa como la naturaleza, Hacienda La Trinidad Parque Cultural, Caracas, 2013; Reverse Position (Invertir la Posición), Galeria Wu, Lima, 2012; Forking Paths, Vera Cortês Art Agency, Lisboa, 2011; Térmico, Pavilhão Branco do Museu da Cidade, Lisboa; Gabriela Albergaria, Galeria Vermelho, São Paulo, 2010; Variações sobre um tema, Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, 2008 e ABRACADÁRVORE, Museu de Arte Moderna da Bahía, São Salvador da Bahía, 2008.
O seu trabalho foi também incluído em várias exposições coletivas em várias instituições e galerias, tais como: Anozero: Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra (2015); Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas (Açores, 2015); Centro de Arte de Alcobendas (Madrid, 2014); Centro de Arte Moderna (CAM) – Calouste Gulbenkian Foundation (Lisboa, 2014); Wave Hill Garden, Glyndor Gallery (Nova Iorque, 2014); Museo Extremeño e Iberoamericano de arte contemporáneo (MEIAC) (Badajoz, 2013); Contemporary Jewish Museum (São Francisco, 2012); Museu de Arte Moderna de São Paulo (2010); Fuglsang Kunstmuseum (Toreby, 2009); and Centre National d’Art Contemporain (Nice, 2009).
O seu trabalho encontra-se representado em várias coleções, nomeadamente: Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Portugal; Colecção Norlinda e José Lima, Portugal; Instituto Figueiredo Ferraz, Brasil; Museu Nacional dos Açores, Portugal; Colecção Luís Augusto Teixeira de Freitas, Portugal; Museu de Arte Moderna da Bahía, Brasil; KFW bankenngrupe, Germany; BESart – Banco Espirito Santo, Portugal; Centro de Arte Moderna (CAM) – Calouste Gulbenkian Fondation, Portugal.

Galhos de árvores, fósseis de galhos de árvores, e dispositivo de suspensão em metal
500 cm em linha