João Paulo Feliciano

Nasceu nas Caldas da Rainha, em 1963. É artista visual e músico. Formado em Línguas e Literaturas Modernas, pela Universidade de Lisboa (1981-1985). Expõe regularmente desde 1984 e, entre as numerosas exposições, individuais e coletivas, destacam-se as individuais no Contemporary Arts Center, Cincinnati, EUA; na Culturgest, em Lisboa; na Cristina Guerra Contemporary Art, em Lisboa; e no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto. Destaque ainda para a sua participação na XXVI Bienal de São Paulo, Brasil (2004), ou na exposição “Sonic Boom – The Art of Sound”, na Hayward Galllery, Londres (2002). Entre 2000 e 2007, integrou a direção da Associação Experimenta e da Bienal Experimenta Design. Foi responsável pela direção artística do espectáculo Acqua Matrix (Expo’98, Lisboa). De 1989 a 1998, integrou a banda “Tina and the Top Ten”. Na sua actividade músical contam-se, ainda, colaborações com músicos, como Rafael Toral (com quem partilhou o projeto No Noise Reduction), Lee Ranaldo (Sonic Youth) Phill Niblock, David Toop, Christian Fennez, Spencer Yeh (Burning Star Core, Elliot Earls (The AppoloProgram), Amom Tobim, Burnt Friedman. Em 2009, em conjunto com o seu irmão Mário Feliciano, criou o Real Combo Lisbonense. Nessa altura criou também a sua própria editora discográfica e produtora musical: a Pataca Discos. As suas obras estão representadas nas coleções Caixa Geral de Depósitos, Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Museu Extremeno e Iberoamericano de Arte Contemporáneo, entre outras.

Madeira, acrílico, alumínio, vários tipos de lâmpadas, tripés, moduladores “sound-to-light”